quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Uma tragédia aconteceu...

Não pense que viver nos EUA é um sonho, a não ser que seu marido seja muito rico, ou tenha um bom emprego, ou você já tenha um emprego garantido, é horrível ter um roommate in home, ainda mais se a casa é dele, ou seja nós somos os agregados que alugam um quarto, sim temos que ficar aqui, não sei por quanto tempo até termos dinheiro suficiente para um apartamento, se não fosse as fees do processo e as passagens de avião pro Brasil, com certeza conseguiríamos nos mudar.
Mas como se não bastasse essa parte difícil de ter que dividir uma casa, me acontece um desastre, aqui o dono da casa tem duas cadelas, mas uma é da ex-namorada dele e tem um ano de idade e não é treinada, mas ela é grande, porque aqui  todo mundo tem pelo menos um cachorro grande, pra quem não sabe, eu tenho trauma de cachorros desde que fui atacada por um, então devem imaginar como é difícil me controlar psicologicamente, então deixamos a casa ontem para tomar café com um dos amigos do meu marido que veio de outra cidade nos visitar, quando voltamos o estrago já estava feito, meus pares de sapato todos na sala e mastigados, inclusive o que eu tinha usado no meu casamento no Brasil, fiquei chocada.
As portas nos quartos não possuem trancas aqui, só precisa puxar o trinco e a porta se abre, então um dos cachorros pulou no trinco e a porta abriu, simples assim, agora eu e o marido não gostamos nada disso e achamos melhor procurar algum lugar nosso, com mais espaço, pois agora o que temos é apenas um quarto para colocar nossas coisas, na casa de alguém...
Isso foi o que aconteceu, agora amanhã a jornada continua em busca de apartamentos...

domingo, 25 de dezembro de 2011

Merry Chistmas to all!!

Primeiro post from United States of America, and it's Christimas, eu cheguei à terra do Tio Sam, segunda feira de manhã, e estava muito frio, após passar uma noite inteira dentro de um avião, nunca tinha voado sozinha, o que eu considero esse feito uma vitória, pois as pessoas estavam muito preocupadas se eu conseguiria chegar aqui sã e salva, o voo foi muito cansativo, já que tive que fazer o check in em todos os aeroportos que eu desci, o primeiro aeroporto foi em Guarulhos, ainda bem que eu tive ajuda para me situar naquele aeroporto soo big!! as seis horas lá passaram voando, deu tempo de jantar e embarcar, passei tanto tempo na fila de embarque, que quando saí estava muito próxima da hora do meu voo direto de São Paulo a Dallas, descobri que detesto voos diretos! 9 horas dentro de uma avião é um saco!
Chegando em Dallas segui todo mundo que saí do avião e achei a fila da imigração para entregar o meu tão temido envelope, claro que eu não enfrentei a fila, pois meu embarque era às 7:30h, entreguei o envelope para o policial e ele colheu minhas digitais e minha assinatura, somente isso e me informou que vou receber meu green card provisório em 3 a 6 meses! Segundo minhas pesquisas esse tempo era apenas de 30 dias! Enfim, espero receber antes pois tenho uma passagem de volta para março! Preciso terminar minha faculdade, senão terei que pagar mais caro comprando outra passagem para agosto, sinceramente, espero que dê tempo, não quero gastar tanto com passagens...
Até agora o que tenho feito é saído para comprar pequenas coisas, para organizar as nossas coisas e comida, quando eu cheguei aqui a casa tinha um cheiro esquisito, agora já estou acostumada com o cheiro, quase não sinto, a comida não é lá essas coisas, tem gosto esquisito, por isso prefiro mil vezes cozinhar. No dia em que cheguei saímos à noite para jantar, a mobília do restaurante era gigante, pelo menos para mim, os talheres e as porções de comida, enfim, a banda do meu marido fez um show especial para mim na quinta à noite e saímos na caminhonete to see Christmas Lights em algumas  casas muito chiques, embora todas as casas aqui são lindas na minha opinião, na sexta conheci mais pessoas que não lembro o nome, mas foram muito receptivos, fizemos trocas de presentes, foi divertido.
A noite de Natal também foi especial, fizemos um jantar e bebemos vinho, com o amigo do meu marido e a namorada dele, foi bem especial. Aqui não neva, mas faz muito frio, parece que estou no sul do Brasil, portanto é bom ter um agasalho potente! Phoenix é linda e organizada, tem bastante espaço, é bastante limpa, acho que como quase todas as cidades dos EUA. Agora é tentar me habituar à cultura e tentar não enlouquecer nesses 3 meses de férias que eu tenho. Acho que vou procurar um job temporário, quem sabe.
Um beijo a todos que leem o blog
e Merry Christmas!

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Agora está tão perto!

Sim! people, o meu dia de embarcar tá chegando e a saudade já começa a bater, mas em geral até que não tá sendo muito chororô e rio de lágrimas por todos os lados. Somente as pessoas que são muito próximas a mima derramam algumas lágrimas, mesmo sabendo que eu sempre vou vir visitar e que eu não estou indo para a forca. Mas deixar de acompanhar a vida das pessoas que a gente ama é muito dolorido, principalmente quando você tem uma sobrinha que te adora, avós que te amam, alguns primos muito apegados e amigos inseparáveis, pois quando você volta eles estão diferentes e até menos apegados. Saber disso dói, mas fazer o quê? Todos temos que deixar nossa família para começar sua própria família, foi um dia assim com os nossos pais e agora é a nossa vez.
Mas o que mais sentirei falta é de me sentir livre e independente, pois durante algum tempo não poderei me sentir assim em terras estrangeiras, já que eu vou precisar de ajuda para tudo, onde encontrar lojas, como pegar ônibus, e o meu maior medo, a hora de trabalhar, eu falo inglês, mas ele não é aquela perfeição, consigo me comunicar bem, mas no trabalho você tem que ser claro e entender tudo perfeitamente, para não sair fazendo besteira... Algumas pessoas podem achar isso besteira, mas eu gosto de dar 100% de mim em tudo que faço, se não for assim vou me sentir uma inútil. Claro que não se pode ser 100% sempre, mas se eu for menos do que isso, nos meus dias não lá muito bons, dias de preguiça por exemplo, porque tem hora que sempre enche o saco, eu posso chegar a 0% de empenho. Logo, eu perco meu emprego (ahahahah). Sim, eu sou neurótica.
Eu estou feliz por conhecer e finalmente reencontrar o meu amor, ele está super hiper mega feliz com a minha chegada, ele até preparou nosso quarto, só de fofo que ele é e porque ele me ama muito, acho que será o suficiente para eu não me sentir tão angustiada por deixar tudo aqui, já que estou indo para braços que são acolhedores, embora essa seja uma certeza que eu apenas terei quando por meus dois pezinhos do lado de lá.
Minha família está apreensiva e tensa, mesmo sabendo que essa não é minha ida definitiva, já que eu tenho que voltar para concluir meu curso, algo que me prende aqui com unhas e dentes, mas a cada dia que passa fica mais complicado e complexo, preciso de um tempo. Girar muitos graus e estabilizar numa direção que me satisfaça, o fato de não conhecer e nem ter ideia de como será minha vida do lado de lá, me impede de dar rumos concretos à minha vida do lado daqui. Tenho sorte pois meu marido entende, que eu não funciono no tempo das pessoas normais, eu tenho meu próprio tempo, só atravessando a fronteira entre minha imaginação e realidade é que eu vou conseguir caminhar mais concretamente, espero que minha curiosidade de conhecer o lado de lá mate essa gatinha aqui. Vai dar tudo certo, agora eu só sei, que eu não consigo mais me importar com nada....
Acho que é tudo, mas ainda há mais por vir :-)

domingo, 11 de dezembro de 2011

Entrevista+Rio=Visto Aprovado

Eu viajei para o Rio uns três dias antes da minha entrevista, no dia 05 de dez, para fazer minha consulta com o Dr. Joaquim Duarte, que estava marcada para o dia 06 de dez. Eu e meu pai, minha madrasta e minha irmã chegamos ao Rio cedo, deixamos as coisas no Hotel e começamos a andar pelo centro, já que me hospedei no Hotel Marajó, que fica no centro, próximo a tudo. Claro que nessa caminhada foi muito estressante pois nos perdemos e andamos muito, mas pelo menos encontrei o consulado e a rua onde ficava o consultório, no dia seguinte foi só andar até lá.
No dia seguinte ao meio dia, penso que verei o médico, mas não, eu fui apenas tirar o sangue para fazer o teste de VDRL que detecta doenças sexualmente transmissíveis, paguei 100 reais por esse teste, tudo isso porque se eu fosse fazer no outro laboratório eu teria que esperar 3 dias e lá não, eu teria o resultado 14h, ou seja, gastei uma nota com a consulta, R$320,00, fora o que eu gastei na minha cidade com os exames ginecológicos e a chapa de pulmão, mas tudo bem, isso evita o stress, senti que era uma pré-entrevista, pois ele conversa com você descontraidamente e fica sabendo um pouco da sua vida, essa foi minha impressão, não sei se estou sendo neurótica, mas ele é um bom médico, te examina mesmo, não apenas olha para a tua cara. As perguntas foram gerais, se eu tinha alguma doença grave, se já tinha sido internada ou feito cirurgia, se eu tive pneumonia, tuberculose, coisas de rotina, mas que não são pois os médicos normais não te examinam mais assim ahahah. Ele pergunta tudo isso e preenche um prontuário que estava me deixando louca para ler, mas não dava, dos papeis que ele preenche o único que recebemos uma cópia é da carteirinha de vacinação traduzida, que a gente tem que tirar mais e mais cópias, pois eles pedem nos EUA, o resto da papelada ele coloca dentro do envelope lacrado que devemos levar para a entrevista, só Jésus sabe o que tem dentro...
O dia seguinte foi livre e eu fui visitar o Shopping da Barra e levar a família para andar de metrô o shopping é enorme, fui lá para comprar uma roupa para a entrevista, pois no médico conheci uma menina que me disse que a advogada dela disse que você tem que ir alinhada, e talz, quando cheguei ao hotel vinda do exame, percebi que a blusa que eu tinha escolhido tava manchada!!!! affzz, fui ao shopping ao invés de ir à praia, e mal sabia eu que aquele era meu último dia de sol... enfim, comprei um blaser e uma blusa social, na renner, foi salgado, R$ 180,00 fora outro casaquinho de frio que eu também tava procurando para poder levar para os EUA, pois agora lá tá frio, comprada as coisas, voltamos ao hotel, o shopping da Barra é longe do centro, levamos o dia todo só para ir lá e voltar, também saímos tarde, chegamos lá na hora do almoço e sabe como é mulher né... voltamos às 4h e alguma coisa e chegamos no hotel lá pelas 6 quase sete, organizei os papeis para a entrevista pela milésima vez e dormi.
Eu acordei às 5:30h da manhã, banhei, me maquiei, tomei café e cheguei lá 6:45, fui a pé mesmo, e acreditem, eu fui a última a ser atendida em tudo, chegando na porta o guarda tem o seu nome num papel, e deixa você passar na frente de todo mundo que tá aplicando o visto de turista, lá dentro outro guarda me encaminhou para o segundo andar, onde havia uma moça numa mesa conferindo papeis, e cadeiras, quando ela terminou de atender uma senhora que tava lá, ela me chamou e me deu uma senha, me deu um papel para preencher, e uma folha informando a ordem que os documentos deveriam ser apresentados, para que eu organizasse os que a NVC tinha me pedido para levar. Depois disso a mesma moça verifica tudo novamente, e me informa meu lugar na fila, tipo, depois de quem eu serei chamada.
No dia da entrevista, não havia noivas, acho que apenas esposas e pais de filhas que tinha casado com americanos e tinham requerido o green card para os pais, algumas pessoas de visto de trabalho e só, e algumas pessoas registrando os filhos americanos, pessoas que já tinham o green card. Só conversei com um casal de mineiros, que estavam indo pros EUA pois as filhas deles estavam todas lá. A minha espera foi longa, eu fui a última a ser chamada em tudo. Depois de esperar longas horas fui para a pré-entrevista, onde outra mulher me atendeu, conferiu a ordem dos docs, fez algumas perguntas, abriu os exames, nessa hora eu vi os papeis que tinha mandado pro NVC com o carimbo de APROVED, mas ela foi gentil comigo, conversamos sobre meu marido e eu, ela pareceu interessada com as minhas respostas, ela perguntou como eu tinha conhecido meu marido e qual foi a sensação de vê-lo pela primeira vez, eu respondi que foi pela internet e que foi estranho, pois ele parecia um robô pelo jeito que se movia, ahahaha...Nessa hora minhas digitais também foram colhidas. Desci ao térreo e paguei a taxa do Sedex, e lá quem trabalhava era um maranhense, muito engraçado ele =).
Depois dessa pré-entrevista eu volto novamente a esperar, esperar o painel luminoso chamar minha senha, para entrar na porta 3, onde serei entrevistada pela consulesa, depois de passar horas de frio (ainda bem que estava com o blaser, senão tinha passado mais frio) e ver todo mundo ir embora, chega a minha vez e a consulesa é loira dos olhos azuis, mais azuis do que o da minha avó, ela pede para eu fazer o juramento, pergunta como eu e meu marido nos conhecemos, se eu falo inglês (mesmo assim a entrevista foi em português), quantas vezes ele veio ao Brasil, se eu já tinha ido ao States, em que eu pretendia trabalhar, em que ano nós começamos nosso relacionamento, então ela parou e disse que ia aprovar meu visto e desejou parabéns :-).
Saí de lá saltitante e feliz, ao contrário de quando me dirigia para a entrevista, que era quase desmaiando de ansiedade, eu esperei tanto lá que o meu nervoso passou, eu aconselho a ir cedo, tipo estar lá na porta às 6h da manhã, mas se não der, leve um livro e tome um café bem reforçado, eu não tive nenhuma pendência, saí de lá uma hora da tarde, morrendo de fome. Outra constatação que eu tive foi, que depois de todo mundo ser atendido e eu estava lá só, apareceram pessoas que pegaram passaporte lá e saíram direto com visto, não entendi esse esquema, talvez visto de emergência? Mas eles pareciam felizes, enfim, é melhor eu tomar conta da minha vida...
Importante ressaltar, é que quando você paga o sedex, o pessoal do correio te dá um papel azul para ligar, para pegar o número do rastreamento, juntamente com um site e um e-mail de contato, eu mandei um e-mail sexta para eles, mas eles não me responderam, queria saber se meu visto já tinha sido enviado, mas amanhã vou ligar, já que agora começa outra novela, receber esse visto.
Estas são as informações no cartãozinho: www.correiospresidentewilson.com.br e fax (021) 2240-1382.
Claro que nem tudo é perfeito, não fiz muito turismo no Rio, já que estava resolvendo a papelada do visto, e quando fiquei livre os outros dias foram nublados e sem sol para ir à praia, mas pelo menos visitei o Cristo e andei pelas ruas do centro, onde existem roupas mais em conta, pena que eu estava com pessoas que não tinham o mesmo ritmo que eu. Mas o Rio é tudo de bom, atendimento 10 e comida muito boa em todos os restaurantes, exceto as pessoas mais idosas e de Portugal que são muito lentas e brutas e não aceitam cartão, mas isso também é um charme a parte. Quem for ficar no mesmo hotel que eu, aconselho que fique sempre confirmando a reserva, pois eles não são organizados e nunca se prenda ao hotel, caminhe e veja a cidade, não vi tudo o que tinha que vê, por isso pretendo voltar lá, assim que der.


quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Preparação para o Rio (Hora de arrumar minha mochilinhazinha)

Aiiii que vontade de gritar e espernear e bagunçar o cabelo e ser louca ahahah
Que coisa minha entrevistita tá chegando e me perdoem a criação de um novo linguajar, mas é meu modo de me expressar quando tudo tá uma loucura, tem horas que eu tô dançando, outras tô chorando, é uma coisa assim de louco, na verdade, já sou louca mesmo.
Vou viajar para o RJ e espero que tudo corra bem, vou já ligar para o doidinho do hotel e saber se ainda tenho um quarto...
Eu não quero levar mala, quero levar mochila, porque o lance é ser mochileira ahahah, se dê um perrengue com o hotel vou poder andar com minha mochilinha e não ter que carregar tanto trambolho, já que eu sou uma pessoa bem básica, vou levar o básico do básico...
Quem irá comigo nesta viagem maluca serão meu pai, minha madrasta e minha irmã, o fato é que viajar com eles pode ser um stress ou não, mas estou indo para resolver meu visto e, em segundo lugar, um turismo, por isso vou providenciar um mapa enorme para mim! Como eu faço arquitetura fica fácil, pois eu não sei usar aqueles mapas que a maioria dos turistas compra, tem muita falta de detalhes... eu preciso ver, detalhadamente, então vou perder meu tempo copiando e colando imagens do Google maps para imprimir numa escala razoável ahaha...
Como o hotel que vou ficar é muito básico, vou incluir na mochila um lençol, para prevenir, pois já dormi em um do mesmo gênero e eles não deram lençol..., aí vou levando duas calças jeans, muitas blusas, roupas de baixo, dois vestidinhos leves, hippies mesmo, uma havaiana e uma sandália que combina com tudo, mas talvez eu vá de tênis mesmo, meu kit de mini shampoo, sabonete e escova de dentes, e uma escova de cabelo e pronto, só isso dá, e claro uma sombrinha ahaha, vai que chove! E mais claro os documentos e os exames! Para a consulta com o doutor...
Essas são minhas dicas, se eu estiver esquecendo de alguma coisa, é só comentar logo abaixo, que será bemvindo =)