domingo, 22 de janeiro de 2012

Eu vi snow!!

Ontem eu e o marido plus o amigo do marido, fomos às montanhas aqui perto de Phoenix, os guris (sim eles são guris nesse caso) decidiram fazer essa pequena viagem para procurar, adivinha o quê? OURO! ahahah agora captaram o porquê guris? Enfim, era para ser um dia pelo menos mais quente, mas não foi, pegamos uma pequena chuva pelo caminho e fazia frio à beça.
Quando chegamos ao parque de Prescott vimos alguns pontos de neve, na verdade, gelo, mas tá valendo, pois a neve quando derrete não é mais do que gelo, estacionamos o carro e descemos em direção a um pequeno canal, que mais parecia uma nascente, mas no verão ela seca, só tinha água lá porque fica no encontro de descida das duas montanhas e tem muitos pinheiros lá, enfim a paisagem é linda, mas eu não estava linda coisa nenhuma ahahah, eu não tenho roupa de  neve e eu sou muito frienta e também não esperávamos ver a neve lá,  em todo o caso meu marido me emprestou a jaqueta de neve dele, que ficou soooo big em mim, não adiantou muito ainda sentia frio, mas fazer o quê?! Tive que aguentar, pelo menos eu não tava congelando, eu tava, mas não tanto.
A gente tirou algumas fotos, mas quando eu olhei, eu tava horrível parecendo uma retardada,na verdade uma bola de roupa ahahah não gostei. Pra piorar o iphone com as fotos pifou, talvez eu tenha perdido todas as fotos que a gente tirou, mas eu não me importo, eu tava muito feia mesmo, a gente ainda tá se arrumando por aqui, precisamos de mais tempo para eu poder ir comprar uma roupa de neve decente.
E detalhe, eu congelando com toda a roupa e os guris apenas com uns casacos leves, não era tipo o sueter, mas aqueles com capuz e mergulhando as mãos na água e peneirando a terra a procura de ouro, espero um dia me adaptar o clima, só sei que depois dessa eu fiquei mais frienta isso sim ;). 

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

Um ensaio - Uma banda


Como tem sido meus dias aqui, só posso dizer que estão melhorando. Nos mudamos para nossa nova casa, simples, pequena, com todas as dificuldades do mundo, mas nem tantas, estamos bem, estamos tentando colocar as coisas em tão pouco espaço.
Hoje pela primeira vez me arrisquei num passeio solitário de ônibus pela cidade, saí da minha casa, peguei dois ônibus, já que aqui não tem integração nem nada, tem que descer em um lugar e pegar outro, eu pensei que seria mais fácil realizar essa proeza, mas nem tanto, para quem não sabe os ônibus nos EUA, pelo menos aqui em Phoenix, eles informam as paradas, o problema foi, que o primeiro ônibus que eu peguei não estava com esse serviço disponível, acho que estava quebrado, então tive que me guiar pelas placas infinitas, se no Brasil há falta de sinalização aqui existe um excesso delas, enfim não pisquei os olhos e prestei atenção, ainda bem que eu sei ler (rsrsr), preferi fazer isso, pois entrei no ônibus e não falei logo com o motorista e depois eu fiquei com vergonha de ir lá perguntar. Desci na parada para pegar o meu segundo ônibus, que até que não demorou muito, o que me surpreendeu bastante =), eu dei sorte, na hora que entrei no ônibus falei logo pro motorista onde eu queria descer, mas até que não foi preciso, pois as informações de áudio funcionavam nesse ônibus, mas mesmo assim ele ainda me avisou o momento certo de descer, o que eu achei muito gentil.
Toda essa minha aventura eu tive que passar para encontrar meu marido e assim eu poder ir ao ensaio da banda dele, que por causa dela nossa história começou, nos conhecemos através da página do My space da banda dele, quando ele me adicionou e eu ouvi as músicas pela primeira vez, lógico que eu aceitei o convite, já que eu gostei da música, o nome da banda Mergence, e está se tornando bastante conhecida em Phoenix, como eu falei que aconteceria assim que nos conhecemos.
Agora eu estou aqui, ouvindo o ensaio, ouvindo as músicas e como tudo funciona e é muito bom participar disso tudo, já que eu comecei como fã e estou realizando um sonho de estar nos bastidores de uma das minhas bandas favoritas, o próximo show e o primeiro que eu irei presenciar será dia 19/01/12, estou animada por pela primeira vez não estar apenas em espírito nas apresentações, mas agora de carne e osso, vendo tudo ao vindo e dançando as músicas.

Minhas impressões sobre a cidade e algumas coisas mais...


Phoenix é uma cidade planejada, é bonita, mas cheia de contrastes como qualquer outra cidade no mundo. Aqui nem tudo se consegue ser organizado, os prédios às vezes não se encaixam a um padrão, como no centro da cidade, onde algumas áreas foram renovadas e outras completamente deixadas ao descaso, como em qualquer outra cidade...
Ainda sim, prefiro o Brasil. Na nossa desorganização a gente se entende. Aqui não tem muitas opções de transportes públicos, tipo o metrô não corta toda a cidade, não existem várias opções de ônibus para uma mesma parada, e eles não passam de 15 em 15min no mínimo, além de pararem de rodar tipo 10h da noite e alguns param às 7h PM. Todas as necessidades básicas se encontram longe de casa, ou seja, se acaba precisando de um carro para tudo, além dos hospitais não serem públicos, nem as universidades, assim como a maioria das escolas para crianças. Aqui é um lugar caro de se viver.
As comidas aqui são diferentes do Brasil, algumas coisas não têm o mesmo sabor da nossa terrinha, além de um cheiro muito esquisito nas casas, na primeira vez que você entra nelas, acho que é por serem feitas de madeira, não sei.
Algumas pessoas podem me xingar e me condenar por estar falando desse jeito e até se perguntando, o que é que eu continuo fazendo aqui, enfim o que eu penso sobre o estilo de vida americano, não é a mesma coisa do que eu sinto pelo meu marido, eu só vim parar aqui por que gosto muito dele e gostaria que o nosso relacionamento desse certo, por isso estou fazendo esse sacrifício de tentar me adaptar a essa nova cultura.
Ele não sabe falar português, eu não tenho como sustentá-lo, já que ainda sou uma mera graduanda. No caso, eu pensei que por eu falar inglês, eu poderia melhor me adaptar na terra dele do que ele no Brasil, mas até agora não tem sido fácil, embora eu continue tentando. É muito bom vir para os EUA com alguém que realmente esteja preparado para te receber e apenas ser encaixado na vida dessa pessoa, mas outra coisa é ter que vir e colocar todas as peças em ordem, que é o que eu estou tentando fazer.
Por isso pessoas, que lêem meu querido blog, que eu continuo aqui, pois não se deve desistir sem antes tentar.

quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

Happy new years


O meu ano novo aqui foi basicamente igual ao Natal, exceto por uma diferença, no último dia do ano, conseguimos finalmente, alugar um apartamento, o que nos deixou quebrados pelo resto da vida, mas tudo bem. Pelo menos teremos nosso próprio espaço e poderemos ter nossas próprias coisas, ou seja, iniciar a nossa vidinha simples, mas com muito amor e carinho.

Espero que minhas crises de desespero e humor passem, para podermos continuar nossa vida e eu conseguir um emprego, o que eu vejo uma coisa impossível de conseguir, pelo menos não na minha área de arquitetura e urbanismo, que seria mais rentável. Eu ainda não quero me arriscar na área de Professora, já que acho que aqui o sistema de ensino é completamente diferente do Brasil. Eu poderia ensinar Literatura Inglesa, quem sabe.

O que eu sei é que até agora, todos os meus anos de estudo não valem nada aqui, de fato eu não sei por onde começar minha carreira. A minha opinião sobre mim mesma, é que me acho muito covarde para me candidatar a qualquer trabalho, por medo de receber um “não” ou acabar fazendo tudo errado...


Enfim, talvez seja a estranheza do lugar, o novo é sempre aterrorizador.